quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

O Sapo foi ter com a Formiga

Quando criança gostava de observar os formigueiros. Ainda gosto de fazer isso, mas faltam-me oportunidades. Realmente cresci num mundo muito diferente do de hoje.

Como pode tudo ter mudado tão rápido?

Por incrível que pareça, mesmo morando em cidade grande, o Rio de Janeiro na época, na minha rua apareciam sapos, vez ou outra. Evidentemente, que, o pobre, não vivia muito depois de ser descoberto.
Não consigo imaginar um sapo na rua em que moro hoje em São Paulo. Sapo só dá no mato!

Este texto é uma conclusão dos dois anteriores e sendo assim, o Sapo, dentro do nosso contexto, foi ter com a formiga e entendeu que faltava em sua vida um "querer" definido e convicto.
A preguiça, isto é, a moleza em fazer as coisas, pode ser e é na verdade um profundo desinteresse pela vida que se tem. Suas causas estão nos pensamentos e arraigadas em nossas histórias de vida. Ela é um mal que precisa ser desalojado de tempos em tempos.

A preguiça de viver vai e vem. Só não pode ficar e tomar conta do jardim, a nossa alma.
Ir ter com a formiga é fazer uma análise da própria qualidade de vida.

Como estou vivendo?
O que estou vivendo?
Com quem estou vivendo?
Por que estou vivendo?
Vale a pena viver assim?

Com certeza dá para melhorar!

Um comentário:

  1. Fran(SNT AUGUSTA)
    Só tenho uma coisa a dizer,estou abandonando a terapia agora mesmo(rsrs),pra quê terapia?Esse blog me elucida,aprendo mais sobre Deus,aumento meu currículo cultural e de quebra ainda vou economizar!!Glória à Deus!!

    ResponderExcluir