segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Ser uma "Amélia" é um luxo para poucas!

Hoje, ser moderna parece-me que é poder ter o direito de escolher ficar em casa e cuidar dos próprios filhos, marido, que graças a Deus tem que trabalhar fora sem opção, decoração do lar, passear nos parques e fazer compras de mercado, sem medo de atrasar no trabalho ou correr para pegar a condução.

 É ter tempo e dinheiro de usar cremes importados sem pressa. Ir ao salão de beleza à tarde no meio da semana. Almoçar com os filhos. Fazer um jantar super gostoso e esperar o marido sem cansaço ou dor nas costas. Ver a vida acontecendo com mais qualidade e menos estresse. Meu Deus! Ser Amélia com qualidade é um luxo para poucas!

- Qual mulher hoje pode ficar em casa sem ser chamada de dondoca ou madame, no sentido pejorativo da coisa? Mulher que não trabalha fora de casa parece cometer um crime de traição aos direitos femininos.

Claro que a luta pela igualdade com o homem nos prejudicou e até hoje eles ganham mais em termos salariais! Quem quer ser igual ao homem? A nossa luta sempre foi pelo respeito e dignidade de ser mulher com direitos civis e humanos. Queimar sutian foi estupidez! Ter vários homens trouxe o HPV, traumas sexuais, abortos ou filhos de pais diferentes e ausentes.
Não acredito que filhos em creches ou escolinhas, tempo integral de luxo, sejam uma vitória para a família ou a mulher. É irreparável no tempo, o ter deixado o filho de quatro mêses nas mãos de uma estranha ou instituição. Vamos olhar para a sociedade e ver como ela está. Um caos! As meninas não brincam mais de boneca até a idade certa. Elas são as Barbies com seus Kleins!
A mulher anda cansada e com queda de cabelo. Nervosa e dor de cabeça. Culpada e pagando contas e mais contas. Não foi isso que pedimos a Deus, foi? 

"Amélia era feliz e não sabia, será?" Amélia precisava se dar valor e conquistar o seu lugar ao sol, mas não de sol a sol! O feminismo trouxe escravidão a um padrão de vida para homem!
Ser mulher e cuidar da casa é uma honra, um prazer, um privilégio, um descanso, um favor a humanidade no sentido de poder realmente cuidar do que é importante, a família. Toda mulher pode ser o que quiser ser, pois capacidade de ser é o que não nos falta. Somos racionais, agregadoras, perceptivas, intuitivas, firmes, defensoras dos fracos e oprimidos por natureza, afetivas e nossa inteligência além de ser emocional é também multifocal. Eu me pergunto: O que uma mulher não pode ser? Um bom homem! Só isso!
Mulher não nasceu para ser homem e suar a camisa como um! Mulher tem que usar batom e não pós- barba!
Infelizmente, a coisa, para a grande maioria das mulheres, já era! Temos que trabalhar muito em casa e fora de casa, jornada dupla. Que mancada!
P.S Meu texto é uma crítica para quem condena abertamente ou silenciosamente a mulher que quer ser uma excelente Dona de Casa e não pode, por causa do preconceito e vergonha da sociedade castradora. Só tudo isso!
-Chocou com o meu pensamento? Eu um pouco!

12 comentários:

  1. Onde vc conseguiu esse belíssimo template para seu blog Gisela?

    ResponderExcluir
  2. Bispa, voce disse tudo!
    Perfeita sua abordação ao tema.....eu sou a Gleice de Campinas que tinha lhe feito esta pergunta ontem....sinceramente eu fazia parte desta sociedade, pois sempre meu pai e a propria midia diz que a mulher deve ser indenpendente em todas as areas do homem... e não ficar em casa....estas coisas...mas de um tempo pra cá ....principalmente porque me casei agora em abril/2010 vi o quanto é importante se dedicar ao lar, ao esposo, e aos filhos, quando eles chegarem....tenho uma amiga que era tão ativa quanto eu profissionalmente, e há 02 anos fez esta opção, e vejo o quanto esta sendo privilegiada por isto, e esta sendo bom para os filhos,esposo e pra ela.....Obrigada por dividir conosco seus pensamentos....creio que não só eu , mas muitas mulheres tinham medo de assumir esta posição, hoje estão mais encorajadas e cientes de uma otima escolha!!! Um grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  3. Bispa, tô contigo e não abro!!!! Falou td, sempre pensei assim!
    Acredito tb que é mto serio o que pregamos no pupito pois somos referencia, e se usarmos um feminimo distorcido, como ficarão os lares? Pq se as mulheres querem usar loção pós barba, quem usará os batons? Ou quem assumirá a posição da mulher sábia q edifica a casa? Nada contra trabalhar fora mas então assuma os dois turnos né ? Rsrsrs... mas a prioridade é o lar!
    Filhos saudaveis, marido feliz, "a mulher é a coroa do seu marido". Bjs

    ResponderExcluir
  4. Disse tudo Bispa ,fico feliz por Deus te usar assim ,porque ontem mesmo estava mi perguntando se nao tinha que voutar a trabalhar ,sempre trabalhei tem so 2 meses que estou em casa cuidando das minhas e marido e estou gostando ,e hoje tive a resposta que estava buscando,obrigada um abraço

    ResponderExcluir
  5. Bispa,tenho a impressão que o problema não é só o fato das mulheres QUEREREM ser imdependentes, mas o fato de que para serem esposas e mães em tempo integral,precisam sentir a confiança necessária em seus homens para tomarem tal atitude.Antigamente, um homem se COMPROMETIA em ser o cabeça e prover financeiramente esse estilo de vida para sua família.A fidelidade, o carinho, a responsabilidade e o pacto necessários para que essa situação se sustente já QUASE não existem mais. Por isso acho que muitas mulheres optam por trabalhar fora porque, na verdade, não se sentem confiantes para tomarem outra atitude que não a de sair e ser independente.O medo do fim do casamento talvez seja o verdadeiro motivo por trás dessa decisão de não depender financeiramente do homem.
    Os homens querem fidelidade, mas traem suas esposas, querem um mulher carinhosa, mas acordam dando "patadas" em suas esposas.Esse é o problema, não só dos casamentos, mas dos relacionamentos.Pessoas querem a presença de outras em suas vidas , mas não se comprometem e não "pagam o preço" por elas.
    O que acha???Posso estar equivocada na minha colocação?
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Oi bispa,
    Sou Ester Rubia, pastora da Sara da Bélgica. Parabéns pelo texto. Maravilhoso! Fiz essa opção de ser "Amélia" quando minha primeira filha nasceu e tive que colocá-la numa creche, logo deixei o trabalho porque não queria que ela fosse criada por outros, como eu fui. Não me arrependo nunca. Hoje sou pastora de tempo integral e as vezes também preciso desacelerar no ministério, agora tenho duas filhas, pois acredito que o primeiro chamado de Deus para mim é para servir minha família, depois as famílias dos outros. No dia do juízo Deus me pedirá contas primeiro da minha família; aprendi isso com seu marido, bispo Hugo.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  7. Bispa, acho ótimo tantas mulheres assumirem este papel de dedicação exclusiva à família e aos filhos e se sentirem tão felizes e realizadas, mas para muitas este papel pode ser um limitador ou "podador" de sonhos.
    Tudo bem que ainda não tenho filhos e não sei na prática o que é criá-los, mas sou filha de uma grande empresária e tenho um exemplo vivo de que vale a pena não ser uma Amélia.
    Quando tinha 13 anos minha mãe decidiu largar sua carreira de pedagoga para abrir sua primeira empresa que, ao longo de 10 anos, cresceu e se tornou referência em Brasília em qualidade de matéria prima e excelentes modelagens por um preço acessível.
    Agradeço muito a Deus pela decisão que minha mãe tomou. Sei que não foi fácil nem para ela, nem para meu pai, mas hoje eles colhem muitos, muitos frutos de tanto tempo investido nas empresas que eles construiram. Eles continuam super apaixonados um pelo outro e não foi por que minha mãe se ausentou que eu e meus irmãos fomos criados com menos qualidade. Muito pelo contrário. O exemplo deles gritava muito mais alto e o tempo que tínhamos com nossos pais era de extrema qualidade.
    Hoje minha mãe tem 52 anos com pique de uma jovem de 23! Uma mulher cheia de sonhos, planos, metas claras, forte e batalhadora. Para mim e para meus irmãos valeu muito mais ter passado parte da nossa adolescência trabalhando ao lado dos nossos pais e aprendendo de verdade o que é ser empreendedor, o que é ter uma empresa, o que é administrar tantas prioridades.
    Agradeço a Deus não só pela decisão da minha mãe de empreender e colocar em práticas tantos sonhos, mas a todas as mulheres que tenho como referência: Oprah Winfrey, Joyce Meyer, Marina Silva, Martha Stewart, Gabrielle Channel, e tantas outras.
    A todas elas: OBRIGADA POR NÃO SEREM AMÉLIAS!
    Núbia Cavalher

    ResponderExcluir
  8. Bispa,
    Este texto é para todos os tipos de mulheres,as Amelias, as Empreededoras, e as que não são, nenhuma, nem a outra.Se tiver que fazer a opção por uma delas,faço pela última.
    Por que essa tem tempo para à família, e para trabalhar fora.
    Uma mulher dentro de casa tem que ocupar muito a mente, tem que ser muito de Deus,senão ninguém da familia aguenta.Gostei bastante do comentário da Nubia, pois minha mãe trabalhava fora.Nessa situação da para ter meio termo(EmoçãoxRazão).Bjs

    ResponderExcluir
  9. Amei Bispa!! Isso gera uma reflexão para avaliar quais são as nossas prioridades e onde queremos chegar!!!!!!!!!!!! Temos que ocupar o nosso lugar!! Tem um ditado que diz: Mulher que veste cuecas fica dificil de o marido tirar a calçinha!!!!!!!!!!!!!! Choquei????

    ResponderExcluir
  10. Senhora Bispa, só posso dizer que a senhora está completamente equivocada.É o meu ponto de vista, evidentemente. Isso que a senhora propõe representa um retrocesso enorme para as mulheres. Eu estou feliz trabalhando, sem filhos, viajando, cuidando da minha vida sem interferência do meu marido e ele também está feliz assim porque não ia querer nunca uma mulher sem opinião própria e sem ambições (não de dinheiro, mas ambição intelectual) ao lado dele.
    Lídia
    lmst0308@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  11. Só comentário:

    Reflexão direta do Trono de Deus!

    Márcio Canos

    ResponderExcluir
  12. Bispa , queria eu ter coragem de ser Amélia ! Meu marido e pais não aceitam ... e hoje só peço a Deus forças pq não sou feliz trabalhando ... e não sei o que fazer

    ResponderExcluir