domingo, 27 de fevereiro de 2011

Igreja não é shoping!

"Tendo Jesus entrado no templo, expulsou todos os que ali vendiam e compravam; também derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas.
E disse-lhes: Está escrito:
A minha casa será chamada casa de oração;
vós porém, a transformais em covil de salteadores."
Mateus 21:12-13

A cena acima, se fosse hoje, poderia ser descrita da seguinte maneira, em minha imaginação:

"Jesus entrou no imenso salão da Igreja, fechou as lojinhas abertas, expulsou os vendedores e consumidores; também fechou e retirou os stands dos cambistas, promoters e as cadeiras dos que vendiam coisas diversas.
E disse-lhes: Está escrito:
A Igreja, minha casa, será chamada casa de oração, mas vocês transformaram isso aqui em um shoping de corruptos!"

É impressionante como a mente humana, a nossa, está condicionada ao lucro financeiro. O consumismo é uma casta que só sai com jejum e oração! Não podemos unir o sagrado ao profano, sem ofender diretamente a Deus. Dar um jeitinho é tentar ir contra o que está escrito.
Não há sabedoria, nem inteligência, nem mesmo conselho contra o Senhor." Provérbios 21:30

A linha que separa o certo, do moralmente errado, é Tênue. Penso que devemos retornar à sobriedade, com relação as questões, dos nossos costumes evangélicos. Quais são os nossos costumes e quais as práticas comerciais dentro das Igrejas? "Dentro das Igrejas" não quer dizer, necessariamente, dentro, mesmo, do salão, no sentido literal de se estar dentro do espaço físico, no qual a Igreja se reune. Mas, sim, um "dentro", cultural e espiritual da nossa prática de fé cristã.

A fé em Jesus e a sua casa de oração é um dom e um espaço de virtudes divinas, respectivamente.

As multidões a seguirem à Jesus precisam da salvação de suas almas, arrependimento e perdão de seus pecados, transformação de suas vidas, cura para as feridas, libertação de seus maus hábitos, de esperança e amor. Elas precisam encontrar tudo isso na Igreja, em nós, cristãos.

Entendo que Jesus fez o azorrague derribando tudo e expulsando todos os que estavam comercializando, as coisas do reino de Deus, justamente para definir a importância de se ter uma integridade, ilibada, para apresentar ao mundo, a sua casa.

O que o mundo vê quando olha para a Igreja?

Pregar o evangelho, hoje, não pode ter a tônica comercial. Não podemos vender bênçãos e promessas divinas. Não podemos construir armadilhas para os perdidos com nossas palavras e atitudes. Não podemos acenar para os perdidos com as coisas materiais. "Casas, carros, super empregos e prosperidades diversas."

A Igreja de Cristo precisa ser a exata expressão DEle. Quem é Jesus? Jesus é a exata expressão de Deus Pai. 

Igreja não é shoping!

Um comentário:

  1. Muito bom vc ter escrito sobre isso!Tem 99,9 por cento de igrejas assim!Postei no face ok!
    Bjin
    Si

    ResponderExcluir