terça-feira, 11 de setembro de 2012

O coração enche a boca!

Entendo que ser dolosamente escolhido para ser tratado como um ser invisível é uma forma de punição. Quem está no papel de punidor sente-se muito bem com esse pseudo-controle sobre a vida, supostamente, punida. Como cristã tenho refletido sobre o assunto, pois tenho visto este tipo de coisa carnal acontecer entre pessoas que são "espirituais", na Igreja e nas equipes de cooperadores do evangelho. Não acredito que Jesus agiu assim dentro da sua equipe. Na verdade, até mesmo com o traidor, Judas, ele foi amável até ao fim. Mas Jesus é um nível de estatura do varão perfeito. 

Ainda estamos longe de amar ao próximo como a nós mesmos. Aprendi que não devemos fazer com ninguém o que não queremos que façam com a gente. Realmente a medida que julgarmos, seremos julgados. Deus não julga ninguém antes do tempo, só nós é que agimos assim com tamanha covardia emocional. Eu me arrependo disso! 

Hoje, estou aprendendo que as pessoas fazem o que fazem por serem quem são. Nosso coração enche a nossa boca! Eu sou apenas responsável por mim. As atitudes agressivas alheias pertencem aos seus donos. Quem erra, erra sozinho! O importante é entender o que Jesus disse quando falou que não seria mais "olho por olho e dente por dente". 

Misericórdia, Senhor!  


2 comentários:

  1. Bispa,

    uma das melhores maneiras de evangelizar é ser exemplo. Pessoas queridas como você fazem o próximo se perguntar: "que Deus é esse que torna essa pessoa tão amável, alegre, em paz??". Tenho conhecido esse Deus cada dia mais e suas palavras me inspiram a nunca deixar de buscá-lo!
    Um abraço

    Nycole

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, obrigada e que Deus te leve aos lugares que estão preparados com o teu nome.

      Excluir