quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Morreu por um relógio de Marca?

Para que servem os relógios?

Para marcar as horas e te dizer se você está atrasado, adiantado ou na hora. Para mostrar que o dia tem 24 horas. Regular a tua vida! Pontuar teus compromissos! Mostrar que o tempo está passando!

Quando comecei a usar relógio mal sabia ver as horas. Foi meu pai quem me presente-ou com um quando eu tinha uns dez anos de idade. O incrível é que era digital, sem ponteiros! Quase ninguém usava um assim. Era um Cássio com pulseira vermelha, lindo! Lembro que usava no braço direito e que ficava perfeito. Pressionaram-me tanto que passeio o meu Cássio para o braço esquerdo. Nunca entendi a política disso, mas hoje só consigo usar, como a maioria usa, no esquerdo mesmo. E você?

Relógios já foram de bolso, mas te garanto que foi na época dos meus avós. A história do relógio de pulso é bem interessante, mas não vou contar aqui. A questão que estou abordando é sobre o significado que o relógio tem para o seu dono. Tem gente que não liga para marca, tamanho, se é com bateria, automático ou a corda, se tem calendário ou não. Hoje, tem relógio para todos os gostos! Ter um relógio bom é ótimo. Ter um relógio de marca com preços astronômicos demonstra prestígio, refinamento, poder, status, classe e tudo dentro deste raciocínio. Quem pode ter um, na verdade já possui vários, e são nas pequenas coisas, nos detalhes de luxo, é que se sobressaem entre seus iguais. A vida é assim em todas as classes sociais. Quem tem um Cássio perde para quem tem um Michael Kors. Quem tem um suíço, dependendo, pode perder para um Rolex. Amo relógios! Acho um poder ter vários, mas se um ladrão quisesse me roubar, com um revólver apontado para minha cabeça, facilitaria a vida dele e a minha, rapidinho. Pelo menos, quero acreditar que assim faria, mas a gente só sabe quem é, na hora que o inesperado te alcança pelas costas.

Hoje, estarrecida, li a reportagem sobre a morte de um empresário que usando um relógio de aproximadamente uns R$170.000,00 foi assassinado por que se recusou a perder seu bem precioso. Incrível, mas ele deu a vida pelo relógio que perdeu! O problema, nosso, é o significado que damos as coisas que são apenas coisas.

"O problema é que as "coisas", às vezes, se tornaram pessoas da família."

- Será? Que apego é esse? 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário