quarta-feira, 11 de junho de 2014

Aborto é morte? Embrião tem vida? Feto senti dor ao ser destruído com bisturi? Matar é crime?

Do mal pode vir o bem?
O erro pode produzir equidade?
Direitos humanos podem advir da injustiça?

Embrião tem vida?
Feto senti dor?
Aborto é uma morte?
Aborto é feito sem violência?
Quais são as armas de quem faz o aborto?

Matar com respeito ao próximo existe?
O crime pode ser legalizado?

Argumentos que desumanizam uma pessoa ainda em formação no ventre materno é covardia extrema.

O drama dos abortados ficará em silêncio?
A mulher será mais valorizada ou respeitada se receber o direito de matar o próprio filho que está gerando?
Será possível postar com alegria e orgulho de ser mulher um selfie abortando?

O governo vai dar assistência gratuita a mulher que não quiser ter o seu filho?
Planos de saúde cobrirão o aborto?
O governo deve criar direitos que facilitem matar nenéns no ventre?
Haverá dignidade no comércio do aborto?

"Não perca sua felicidade gerando um filho que não deseja. A clínica Aborte Em Paz te garante saúde e segurança."

Seria esse acima um bom exemplo de comercial?

6 comentários:

  1. Com uma visão de mundo maniqueísta que classifica práticas dentro do "bem" e "mal", uma questão séria como o aborto fica muito empobrecida. Se é no maniqueísmo cristão que você encontra respostas para as tuas questões, tome cuidado ao trazê-lo para pensar problemas que afetam as mulheres de modo geral. Nesse caminho, você pode produzir sérios apagamentos. O primeiro é de que nem toda gravidez é desejada e planejada. Os outros são vários. Posso formulá-los em forma de questões também: Onde ficam os meus direitos de decidir o quê é melhor para mim e para a pessoa que será de minha responsabilidade nas condições em que engravidei? O Estado tem direito de legislar sobre o meu corpo? Como posso ter um filho sabendo que não terei condições de lhe oferecer boas condições de sobrevivência e pouca ajuda do Estado para isso?
    Considerar o feto uma vida e por essa razão criminalizar o seu aborto é pensar o ser humano fora da sociedade e fora da história, diria que é pensá-lo apenas como um ser espiritual. Isso apaga todas as condições em que um ser será gerado e em que passará a viver depois de nascido.

    ResponderExcluir
  2. A vida é anterior a sociedade. Teus argumentos defendem um crime e pretendem distorcer a verdade. A vida humana é sagrada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que não entra em questão o que é anterior, se a vida ou a sociedade. O fato é que ninguém concebe ou é concebido fora das condições sócio-históricas. Os meus argumentos defendem um crime? Não. Pelo contrário. São os teus argumentos que defendem a criminalização do aborto. Os meus vão na direção de pensar a sua descriminalização pelas questões que formulei no meu primeiro comentário. Distorcer a verdade? Qual é a verdade em questão aqui? Estou debatendo um assunto que é o aborto. Não há verdades ou falsidades. Assim como você tem seus argumentos, eu tenho os meus, que são tão válidos quanto os teus. Acontece que os meus se constituem a partir de um outro ponto de vista que não é o cristão-protestante-neopentecostal e por isso se confrontam com os teus. Como já disse, o ponto de vista cristão é maniqueísta, trabalha classificando as práticas sociais, as enunciações, comportamentos, entre outras coisas, dentro de categorias antagônicas que ora aparecem como bemXmal, ora como sagradoXprofano, coisa de deusXcoisa do diabo, etc. Nesse antagonismo, o que é sagrado (bem, ou “de deus”) deve ser praticado, cultivado, adorado, etc. e o que é profano (mal, “do diabo”) deve ser afastado, curado, melhorado, etc. e não há espaço para o questionamento, para a reflexão, para o pensar fora da ordem dessas categorias, do contrário você pode ser acusado de estar incitando o mal, o profano, as coisas que não são de deus, de “estar em pecado”, de “distorcer a verdade”, etc . Pensar de acordo com esse antagonismo não me é interessante porque ele me dá respostas rápidas e rasas. Isso se deve em grande parte, acredito, justamente porque o maniqueísmo cristão apaga as determinações históricas e sociais cuja consideração deixa qualquer questão muito mais complexa (e, por conseguinte, fornece respostas muito mais interessantes para mim). Resumindo, considerar o feto uma vida é para você colocá-lo dentro da categoria das coisas sagradas e isso basta para que nada seja questionado contra essa ideia. Não interessa considerar o como, onde, e por quem essa vida será gerada e concebida. Ela é sagrada e nessa medida ela e sua gestora são pensadas enquanto seres de todo espirituais.

      Excluir
    2. Daqui a menos de cem anos as tua certezas terão sido provadas, pois você é mortal como quem é abortado. A diferença é que as tuas mãos, conceitos e valores estarão sujos de sangue. Enfim, quem crê em Deus defende a vida desde a sua concepção.

      Excluir
  3. Pelo modo como você responde fica parecendo que ou você não entendeu as minhas colocações sobre o aborto, ou realmente não consegue tratá-las. Isso se confirma ainda mais quando você fala das minhas mãos. Quem é você para dizer como elas estarão ou não após a minha morte? Ao invés de falar sobre isso, por que você não procura responder às minhas colocações sobre o aborto e o cristianismo? Seria mais interessante. O modo como você me responde só reafirma o que eu digo sobre o ponto de vista cristão-protestante-neopentecostal: não há espaço para a reflexão para além do bemXmal, do profanoXsagrado. E veja bem: pelos argumentos que tenho colocado sobre o aborto, será que esse assunto não merece ser pensado fora dessas categorias?

    ResponderExcluir
  4. Anônimo, você precisa aceitar o fato de terem teus argumentos refutados. Não existem, por um acaso, considerações na tua reflexão sobre a brutalidade e a dor sofrida por quem é assassinado no ventre materno? Extermínio em massa no ventre materno? Holocausto? O cristianismo reflete em uma ótica de fé na palavra de Deus. Quem entra no meu blog entende que defendo valores cristãos. Neste meu espaço de reflexão iremos considerar a vida de forma cristã. Não vou combater ideias no mundo das ideias apenas com ideias. Meu blog é honesto em propor reflexões através da palavra de Deus. O cristão vive pela fé! O mundo existe em uma dualidade. Bem e mal. Morte e vida. Céu e inferno. Certo e errado. Verdade e mentira. Deus ou diabo. Não existe uma terceira via. Quem sou eu para falar das tuas mãos sujas de sangue? Não sou eu quem diz essa verdade de mãos sujas de sangue, mas a palavra de Deus. Se Deus não existe para você fique na tua certeza e seja o que você quiser ser. Respeito que você veja a vida de forma diferente, mas não aceito teus argumentos como válidos. Se o que você acredita é excelente me ignore, por favor. Não posso ajudar, pois não há espaço em meu coração para rever uma questão fechada como está. Sou a favor da vida! Jamais apoiaria o aborto! Obrigada!

    ResponderExcluir