terça-feira, 28 de outubro de 2014

Será que dividiram o Brasil em ódios?

Nestas eleições 2014 que terminaram vimos estarrecidos que os brasileiros se dividiram incitados por ódios políticos. Conseguiram desfocar os eleitores na missão de votar. O povo se ocupou em brigar e esqueceu de examinar de forma racional e crítica as qualificações dos candidatos.

Acredito que houve uma armação política maquiavélica para desestabilizar emocionalmente os eleitores. Simplesmente nós paramos de pensar e passamos a só "sentir" as eleições. Da paixão pelo futebol migramos, ainda que temporariamente, para a política.

Conseguiram fazer com que os valentes brasileiros, outrora unidos em um clamor contra a corrupção, que foram as ruas marchar exigindo mudanças, se dividissem. O norte e o nordeste recebeu o desprezo do sul e do sudeste. Nunca tinha visto isso antes!

Será que, depois desse muro, imaginário, construído em nosso mapa, o povo ainda terá força de ir para as ruas e exigir do atual governo que as coisas aconteçam? Será que os 51% dos cidadãos brasileiros que votaram na continuidade do PT se unirá aos 49% que disseram não? Será que a força da unidade em protestar como povo foi minada?

O "Gigante" será que entrou em coma induzido? Teremos vergonha de, se precisar, voltar para as ruas em todo o Brasil e juntos marcharmos pela justiça?





segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Ódio aos cristãos!

Entendo que o ódio aos cristãos é antigo. Na verdade, a igreja de Cristo nasceu dentro de um berço de rejeição.

"Jesus veio para o que era seu, e os seus não o receberam, mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome". João 1

Então, desde de sempre estamos na mira do espírito do anti-cristo. Hoje, estamos vivendo em uma atmosfera de rejeição crescente em todas as culturas no ocidente e oriente. Numa história passada fomos sistematicamente perseguidos e mortos, mas ainda agora em países de cultura comunista ou islâmica seguimos sendo assassinados, presos e torturados.

A forma mais branda de perseguição está se dando através das tentativas, investidas por meio de criações de leis, de cerceamento a nossa liberdade de culto. Querem nos parar pela força da lei! Querem jogar a sociedade contra nós. Incitam ódio aos cristãos. Existem militantes de diversas bandeiras que odeiam nossa forma de pensar, sentir e agir. Não suportam Deus! Nós estamos sendo xingados por todos os males da sociedade. "Se a favela pegou fogo é porque os crentes estavam lá!"

Bem-aventurados sereis, quando os homens vos aborrecerem e quando vos separarem, e vos injuriarem, e rejeitarem o vosso nome como mau, por causa do Filho do Homem. Lucas 6

Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós, por minha causa. Mateus 5

Começou o fim? Estamos no início das dores?

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Pensamento positivo não é, necessariamente, fé!

A nossa linguagem com Deus é por meio da fé. O que é a fé? Fé no quê, em quem?

Nós podemos ser pessoas positivas, com pensamentos otimistas e ainda sim, sermos incrédulos. Hein? Oi?

A fé pode ser natural, aquela que usamos para viver o dia a dia, com a qual nos relacionamos socialmente, fazemos negócios e, etc, ou pode ser aquela que é um dom de Deus, espiritual.

A fé que me faz, por exemplo, comprar um produto pela internet, em um site, é aquela natural, normal, boa e eficaz, ainda que possa vir a ser prejudicada no processo.

A fé, espiritual, é aquela que está fundamentada na palavra de Deus, em Jesus.

Tudo que Jesus ensinou é verdadeiro, excelente, bom, perfeito e agradável. Não podemos discutir com a verdade, pois ela tem sempre razão. 

A fé natural, na vida, é excelente e possibilita as construções das coisas, mas ela tem um teto, uma força e um alcance.
A fé em Deus, na sua palavra, no nome de Jesus, te conduz a eternidade e a uma transformação de vida, por meio de valores, conceitos e renovação do entendimento. As promessas de Deus, contidas em sua palavra, nos dão acesso ao impossível.

A nossa vida tem uma história no invisível dela! 

Fé é a certeza das coisas que se esperam e a convicção de fatos que se não veem. Hb 11:1 (Bíblia)

Pensamento positivo é apenas, pensamento positivo. Pensamentos de fé, em Jesus e na sua palavra são poderosos no invisível da vida, pois chamam as coisas que não são como se já fossem. A fé, dom de Deus, cria novas realidades e forja destinos.

Precisamos da fé que vem de Deus para limpar a nossa capacidade de acreditar na vida e maximizar a nossa existência.

A porta que Deus abre, por meio da nossa fé nele, ninguém pode fechar!


domingo, 12 de outubro de 2014

Ignorante racional, oi?

A maioria dos eleitores, de acordo com o economista americano Anthony Downs, em seu clássico Uma Teoria Econômica da Democracia, cujo livro não li e nem irei ler, é ignorante racional. Isto quer dizer que, apesar de não entender de indicadores econômicos e não saber como as políticas se relacionam umas com as outras e se desdobram a médio e longos prazos, sou coerente e racional, mas pratico uma política de visar o bem -estar e de querer manter o status quo numa boa.

-Hã? Oi?

Então, trocando em miúdos: A maioria dos eleitores, a gente, não entende nada de como a coisa funciona dentro da política, desconhece as ideologias dos partidos e  vota nas eleições de forma coerente com seus interesses. Por exemplo: Hoje, eu quero o PT fora do governo, pois sinto que a perpetuação deste sistema ameaça o progresso do Brasil em sua democracia. Isto não quer dizer que acredito em tucanos. - O que eu quero? Manter a nossa história em uma ascendente.

Passei estes últimos dias refletindo exatamente sobre essa questão, ignorância racional, e quando li a reportagem abordando a questão, com refinamento intelectual, fiquei me sentindo inteligente, pois apesar de não ser cientista política e nem uma pessoa engajada na coisa, estava entendendo o processo de acordo com a teoria ignorante racional. 

A falta de educação formal em um povo faz falta na democracia dele, mas o reto pensar, politicamente, uma vida inteira, durante sucessivos governos, atolados na corrupção, causa desinteresse em ideologias. Sim, a maioria dos eleitores está cansada, frustrada, chateada, revoltada, perturbada, desesperada, enraivecida e obrigada a votar.

Poucos no Brasil podem se dar ao lixo e luxo de viverem pensando em mudar o país através da política. A maioria esmagadora dos ignorantes racionais trabalha em empregos formais e paga os impostos para manter o status quo dos governantes, corruptos políticos racionais, em suas ideologias. Entendo que existe uma classe política, minoria, de boa vontade para com os homens, mas é como separar joio do trigo.

(A reportagem está na VEJA, Ed. 2395, ano 47, número 42)