terça-feira, 11 de novembro de 2014

Quem odeia pobre?

Nestas eleições 2014 fui acusada de odiar pobres. Fiquei pensando de onde haveria de ter partido esse julgamento odioso com relação a minha pessoa. Como assim, odiar pobres? Será que eu estava desprezando pessoas sem perceber? Então, caiu a ficha! Existe um discurso pronto que virou um mantra na boca dos militantes de esquerda, leviano, de que quem é de direita ou perto disso, por não concordar com o doutrinamento de esquerda socialista, bolivariano, odeia pobre.

Quem odeia pobre?

Quando um país em sua política decide tutelar uma população pobre escolhe o caminho do populismo. Noutro dia ouvi um dos fundadores do PT, o jurista Hélio Bicudo, dizer que José Dirceu, na época da criação do Bolsa-família, explicou que esta ação social iria dar ao PT 40 milhões de votos. As intenções por trás dos movimentos sociais são eleitoreiras. O projeto é poder pelo poder! Não existe amor aos pobres, coisa nenhuma. Claro, tem gente, como o próprio Hélio Bicudo, que acredita ou acreditava em um PT do bem.

Não podemos medir o sucesso das políticas sociais de um governo pelo aumento de pessoas atendidas, mas sim pela diminuição deste senso. Como podemos mudar a história econômica das regiões mais pobres do Brasil? Com certeza é investindo em soluções, estruturas e nunca, apenas, em bolsas-tudo! Não se pode fazer uma economia crescer a base de uma política que mantém o pobre no cabresto. O pobre não pensa quando depende do governo para comer, ainda que seja mal e porcamente.

Quem ama o pobre investe na sua região criando emprego, oferecendo educação e saúde!

Ouvi em um vídeo, recente, onde o próprio Lula/PT diz que o SUS é um colosso para atendimento ao pobre. Como assim? Onde ele tratou o seu câncer? No hospital Sírio e Libanês/SP, onde a elite que ele quer destruir trata o seu. Eles, esquerdistas, bolivarianos, contam mentiras até que elas grudem como verdades no imaginário do pobre, do desavisado e do alienado.

O Brasil nas mãos do governo PT está sendo desconstruído na sua democracia representativa. A esquerda na América Latina cuida de refazer discursos que soam como amor aos pobres, quando na verdade está implantando um regime totalitário que quer a hegemonia de uma ideologia.

Sou cristã e estou orando pelo Brasil, mas também alardeando esse poder das trevas aqui bem embaixo do nosso nariz!

Em nome de Jesus, amém!


   

Ele falou em 60 razões para não votar no PT!

sábado, 1 de novembro de 2014

Existem laranjas que não apodreceram no Congresso Nacional.

Não acredito que exista uma ideologia na política capaz de mudar o Brasil ou o mundo. O problema das ideologias são os seus pais. É triste, mas todo idealista na política tem um preço, pois se ele não fizer conchavos, ceder e jogar o jogo, não segue adiante, mas depois seguindo adiante já não é mais quem se propôs a ser. As ideologias são destruídas quando chegam no trono.

Acredito no livre arbítrio de pessoas que escolhem fazer o bem através da política. Acredito que precisamos fortalecer o Congresso Nacional com políticos idôneos. Não acredito em partidos, mas na democracia exercida por eles. Derrubar projetos e derrotar o atual governo em suas investidas bolivarianas é louvável. Quando vi que o decreto da 8243 ser barrado senti segurança na Câmara dos Deputados e certamente não passará, também, no Senado Federal. O Brasil é verde e amarelo e não vermelho!

O Brasil, mesmo depois das eleições, continua fervendo. Será? Espero que sim! Precisamos fiscalizar!

Em meio as laranjas podres no Congresso Nacional existem aquelas que não apodreceram.