terça-feira, 11 de novembro de 2014

Quem odeia pobre?

Nestas eleições 2014 fui acusada de odiar pobres. Fiquei pensando de onde haveria de ter partido esse julgamento odioso com relação a minha pessoa. Como assim, odiar pobres? Será que eu estava desprezando pessoas sem perceber? Então, caiu a ficha! Existe um discurso pronto que virou um mantra na boca dos militantes de esquerda, leviano, de que quem é de direita ou perto disso, por não concordar com o doutrinamento de esquerda socialista, bolivariano, odeia pobre.

Quem odeia pobre?

Quando um país em sua política decide tutelar uma população pobre escolhe o caminho do populismo. Noutro dia ouvi um dos fundadores do PT, o jurista Hélio Bicudo, dizer que José Dirceu, na época da criação do Bolsa-família, explicou que esta ação social iria dar ao PT 40 milhões de votos. As intenções por trás dos movimentos sociais são eleitoreiras. O projeto é poder pelo poder! Não existe amor aos pobres, coisa nenhuma. Claro, tem gente, como o próprio Hélio Bicudo, que acredita ou acreditava em um PT do bem.

Não podemos medir o sucesso das políticas sociais de um governo pelo aumento de pessoas atendidas, mas sim pela diminuição deste senso. Como podemos mudar a história econômica das regiões mais pobres do Brasil? Com certeza é investindo em soluções, estruturas e nunca, apenas, em bolsas-tudo! Não se pode fazer uma economia crescer a base de uma política que mantém o pobre no cabresto. O pobre não pensa quando depende do governo para comer, ainda que seja mal e porcamente.

Quem ama o pobre investe na sua região criando emprego, oferecendo educação e saúde!

Ouvi em um vídeo, recente, onde o próprio Lula/PT diz que o SUS é um colosso para atendimento ao pobre. Como assim? Onde ele tratou o seu câncer? No hospital Sírio e Libanês/SP, onde a elite que ele quer destruir trata o seu. Eles, esquerdistas, bolivarianos, contam mentiras até que elas grudem como verdades no imaginário do pobre, do desavisado e do alienado.

O Brasil nas mãos do governo PT está sendo desconstruído na sua democracia representativa. A esquerda na América Latina cuida de refazer discursos que soam como amor aos pobres, quando na verdade está implantando um regime totalitário que quer a hegemonia de uma ideologia.

Sou cristã e estou orando pelo Brasil, mas também alardeando esse poder das trevas aqui bem embaixo do nosso nariz!

Em nome de Jesus, amém!


   

Nenhum comentário:

Postar um comentário